<< Voltar
Os milagres que fizeram de Irmã Dulce uma santa

Os milagres que fizeram de Irmã Dulce uma santa

São inúmeras as benfeitorias realizadas por Irmã Dulce ao longo da sua vida e, mesmo após 27 anos de seu falecimento, o legado de amor ao próximo que ela deixou se perpetua até hoje através das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID). Uma linda história em vida a fez tão venerada espiritualmente que milhares de graças foram atribuídas ao Anjo Bom da Bahia, como ela é carinhosamente chamada.

 

Dos milhares de milagres relatados por fiéis, dois foram reconhecidos pelo Vaticano por atenderem às quatro exigências de autenticidade: ter caráter preternatural, quando a ciência não consegue explicar; ser instantâneo, quando ocorre logo após a oração; além de duradouro e perfeito.

 

Seguindo os protocolos da Igreja Católica, um milagre teria que ser reconhecido para o processo de beatificação e outro para o de canonização. De tão bondosa, Irmã Dulce se transformou em santa, sendo a primeira nascida no Brasil. A cerimônia que a proclamará como “Santa Dulce dos Pobres” ocorrerá em Roma, no dia 13 de outubro, com celebração presidida pelo Papa Francisco.

 

Conheça os milagres que fizeram Irmã Dulce ser reconhecida como santa:

 

O primeiro milagre

O nome dela é Cláudia Cristina dos Santos, técnica administrativa, mas a sua identidade só foi revelada dez anos após o milagre. Era 2001, quando ela foi acometida por uma hemorragia pós-parto. Mesmo depois três cirurgias, o sangramento continuava por mais de 18 horas, segundo relatos do médico Sandro Barral. Moradora de Malhador, no estado de Sergipe, o parto foi realizado na Casa de Saúde e Maternidade São José, em Itabaiana, no mesmo estado. Sem mais esperanças pela medicina, foi então que, ao tomar ciência do caso, o padre José Almir, da cidade de Nossa Senhora das Dores, também de Sergipe, suplicou à Irmã Dulce a saúde da paciente.

 

Logo após as orações, Cláudia Cristina dos Santos foi encaminhada para a UTI de uma unidade hospitalar em Aracaju, onde se submeteu a mais uma cirurgia para a retirada das compressas que usava para atenuar o sangramento. Três dias depois ela recebeu alta do hospital e depois teve seu filho Gabriel Vinícius dos Santos Araújo, que hoje está com 18 anos. Este milagre foi reconhecido pela Congregação para a Causa dos Santos do Vaticano em 26 de outubro de 2010.

 

O segundo milagre

A segunda graça foi reconhecida em maio deste ano, cuja publicação foi feita pelo canal oficial do Vaticano, o “Vatican News”, com o decreto que relacionou à Irmã Dulce mais um milagre.

 

A graça foi para o maestro José Maurício Bragança Moreira, de 50 anos, que voltar a enxergar depois de 14 anos. Ele fora acometido com essa deficiência em decorrência de um glaucoma severo. Se vendo diante de uma crise de conjuntivite viral em 2014, de acordo com informações divulgadas pela Arquidiocese de Salvador, ele dedicou as orações pela sua saúde para Irmã Dulce. “Eu passei a noite sem conseguir dormir e por volta das 4h eu peguei a imagem de Irmã Dulce, que fica na cabeceira da minha cama, e coloquei nos meus olhos e pedi a ela que aliviasse a minha dor, porque estava muito difícil, já que eu estava há quatro dias sem conseguir dormir”, revelou o músico durante sua apresentação pública, em Salvador, no dia 1º de julho.

 

Ao acordar, ele já tinha a sua visão de volta, indo de encontro a todos os diagnósticos da medicina e também do que diziam os resultados dos exames, que diagnosticaram lesões de uma pessoa cega. “Era um paciente que estava cego e que, de um dia para o outro, ele volta a enxergar, sem explicação”, garante Sandro Barral, médico das Obras Sociais Irmã Dulce e que foi perito inicial da causa.

 

O caso foi analisado por especialistas em oftalmologia, tanto de Salvador quanto de São Paulo, que examinaram o paciente e não encontraram explicação para a cura. Depois foi encaminhado para Roma, onde também passou por perícia de médicos, que também não constataram comprovação científica para o ocorrido. Uma comissão de teólogos e cardeais analisaram o caso na sequência, comprovando mais um milagre de Irmã Dulce.